Trai Meu Marido Dando O Cú Pro Meu Patrão No Banheiro Dos Fundos

Trai Meu Marido Dando O Cú Pro Meu Patrão No Banheiro Dos Fundos

Trai Meu Marido Dando O Cú Pro Meu Patrão No Banheiro Dos Fundos

Um dia eu entrei no banheiro do terceiro andar do colégio, que por sinal era o mais vazio e ele estava lá. Claro que não tinha como esconder e logo o Carlos fala: Nossa patrão o senhor deve esta na seca heim… eu ri meio com vergonha e falei, melhor entrar pra casa. Ele pediu para eu tirar a roupa, agora estavamos os dois nus, ele começou acariciar meu pau e minha bunda, me pos de lado e passava a mão por traz que ia do meu pau até meu cú, até que ele enfiou o dedo e começou a brincar com meu rabo me dando muito tesão, seu mastro já crescera em minha mão, me pediu para ajoelhar-me no chão apoiado na cama, veio por traz e enterrou sua lingua no meu cú me levando ao delirio, nunca havia sido chupado assim, brincou por uns 5 minutos e apontou a cabeça de seu pau na entrada de meu cuzinho lambuzado com seu cuspe e forçou a entrada, passou a cabeça com uma leve dor mas muito tesão, e foi enfiando todo o resto que eu ajudava entrar rebolando, entrou tudo, sentia seu pau todo dentro de mim e seus pentelhos roçando minha bunda, começou a bombar bem gostoso, hora devagar, hora com vigor, me chamava de sua putinha e me fez gemer como uma cadela no cio, meu pau pingava de tesão, passou o braço pelo meu corpo para dar mais apoio enquanto socava, e eu lhe puxava pelas pernas contra mim.

Ela sorriu novamente,e olhando em meus olhos disse que já fazia algum tempo que ela não ouvia um elogio do marido e coisas do tipo,e que eu sabia como faze-la ela sorrir…de verdade mesmo,eu emocionei com suas palavras.

Depois disso fui me aproximando dela com um olhar malicioso! Eu sabia que ela nao era lesbica pois ja havia me declarado a ela e se ela fosse ja teria sido minha! Ela foi cada mais se encostando no piano , ela nao tinha para onde fugir, o instrumento acupava todo os fundos da sala! Quando cheguei bem pertinho dela retirei uma das cordas de dentro da minha bolsa, ela tentou fugir, mas eu fui mais rapida e consegui amarrar os seus bracos, abertos, uma em cada ponta do piano, depois peguei a outra corda e fiz o mesmo com as pernas.