Fudendo vagabunda na cadeira do depósito

visualizações

1 min 20 seg

Categoria:

Tag: , , , , ,

Fudendo vagabunda na cadeira do depósito

Fudendo vagabunda na cadeira do depósito

Quem topar,sem saber o que será bata em cima na mesa coma mão direita.

Ela então trouxe um suposítorio e um vasilhame com um bico estranho.

Quando tudo isso tava ja resolvido, tranquei a porta por fora pra nao ter nenhuma surpresa , peguei ela e comecei a beijar ela bem devagarinho, acariciando seus pequenos seios durinhos, e ela ja soltando aqueles gemidinhos que te deixam louco, nao aguentando, levantei os braços dela e tirei sua blusinha , deixando-a só de sutiã, comecei a alisar sua xaninha sobre a calça jeans que ela tava usando, e ela começou a alisar meu pau sobre minha bermuda, ja tava ficando com um tesão enorme, foi quando cheguei no ouvidinho dela e falei pra ela:"Olá! Meu nome é Jorge(Nomes Fictícios pra proteger as identidades já que é um fato real e o tio em questão é casado) tenho 18 anos,negro magro,1,69 e 18 cm de pica,sempre me relacionei com homens mas nunca um maior de idade e casado,isso aconteceu no final de janeiro. – Você vai gozar antes de mim. já quase folego gemi pra ele. ”– “Tá, relaxa, bobona… É só uma brincadeira entre amigos.

ele comeu o cu de Raimundo, mainha descobriu, deu uma cossa em Raimundo e foi entregar Bené ao nosso tio, nosso tio quase mata Bené na pancada, nisso nossa tia mãe de Bené pra se vingar do marido deu a buceta a painho, escondido de Laura claro, eu e Raimundo pegamos os dois fudendo, fiz Raimundo me comer gostoso o viado do Fernando viu a gente invés de me comer preferiu contar a Bené que brigou com Raimundo e não quer mais comer ele porque ele me come, aí socou no cu de Fernando que virou a mulherzinha dele. Levantamos eu fui no depósito de água e passei agua em mim para refrescar e voltamos a dar comida aos cavalos.

Coloquei por cima um camisola vagabunda preta que mais mostrava do que escondia, e de salto alto. "A luz estava apagada, porém a janela do quarto estava aberta e deixava entrar a luz dos candeeiros que cruzavam a rua, sendo que um deles ficava bem incidente no quarto, tornando claramente percetível tudo o que acontecia no seu interior. Nunca recebi um cacetão deste tamanho e nos últimos quatro meses só transei uma vez.